LOGIN TO YOUR ACCOUNT

Username
Password
Remember Me
Or use your Academic/Social account:

CREATE AN ACCOUNT

Or use your Academic/Social account:

Congratulations!

You have just completed your registration at OpenAire.

Before you can login to the site, you will need to activate your account. An e-mail will be sent to you with the proper instructions.

Important!

Please note that this site is currently undergoing Beta testing.
Any new content you create is not guaranteed to be present to the final version of the site upon release.

Thank you for your patience,
OpenAire Dev Team.

Close This Message

CREATE AN ACCOUNT

Name:
Username:
Password:
Verify Password:
E-mail:
Verify E-mail:
*All Fields Are Required.
Please Verify You Are Human:
fbtwitterlinkedinvimeoflicker grey 14rssslideshare1
Publisher: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas
Journal: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas
Languages: Portuguese
Types: Article
Subjects:
A Web 2.0 conduziu a um nível sem precedentes de comunicação, criação e partilha de conteúdos, colaboração e desenvolvimento de comunidades em linha. A mudança de paradigma da Web 1.0 para a Web 2.0 configura uma evolução social e tecnológica que afecta várias profissões, reflectindo-se nas expectativas dos utilizadores das bibliotecas e, consequentemente, nos possíveis futuros destas. Assim sendo, afigura-se crucial que os profissionais destas organizações conheçam estes conceitos e as ferramentas associadas, incluindo blogues, wikis, redes sociais, ficheiros de streaming media, sistemas de bookmarking social, aplicações para troca de mensagens instantâneas e recursos de sindicação de conteúdos. Este trabalho teve como objectivo conhecer o nível de implementação do paradigma da Biblioteca 2.0 nas bibliotecas universitárias portuguesas, bem como a sua evolução temporal. Foi verificado que, em 2008, 59,1% das universidades públicas e 23,7% das privadas utilizavam alguns recursos da Web 2.0. Em 2009, estas percentagens subiram para 100% e 50%, respectivamente. No entanto, estes resultados não correspondem exclusivamente à utilização das ferramentas analisadas. Por vezes, há integração nos sistemas de gestão biblioteconómica de funcionalidades abrangidas pelo conceito de Web 2.0, mas onde as características deste novo paradigma são menos evidentes, tais como a configuração de alertas bibliográficos e a personalização da interface de pesquisa. Isto é um sinal provável de que, independentemente da popularização daquelas que são consideradas as ferramentas 2.0 em sentido estrito, as bibliotecas tendem a seguir uma filosofia de prestação de serviços personalizados, centrados no utilizador, que é um aspecto importante da Web 2.0.

Share - Bookmark

Cite this article