LOGIN TO YOUR ACCOUNT

Username
Password
Remember Me
Or use your Academic/Social account:

CREATE AN ACCOUNT

Or use your Academic/Social account:

Congratulations!

You have just completed your registration at OpenAire.

Before you can login to the site, you will need to activate your account. An e-mail will be sent to you with the proper instructions.

Important!

Please note that this site is currently undergoing Beta testing.
Any new content you create is not guaranteed to be present to the final version of the site upon release.

Thank you for your patience,
OpenAire Dev Team.

Close This Message

CREATE AN ACCOUNT

Name:
Username:
Password:
Verify Password:
E-mail:
Verify E-mail:
*All Fields Are Required.
Please Verify You Are Human:
fbtwitterlinkedinvimeoflicker grey 14rssslideshare1
Publisher: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas
Journal: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas
Languages: Portuguese
Types: Article
Subjects: literatura biomédica, produção científica, padrão de citação, indicadores de citação, língua portuguesa
Introdução: Estudos anteriores identificaram valores de citação extremamente baixos de autores portugueses a trabalhos portugueses. Foram identificadas diferentes taxas de citação para artigos originários de diferentes países, mesmo quando publicados nas mesmas revistas. O idioma diferente do Inglês tem sido usado para justificar estes níveis tão baixos de citação. Os hábitos diferentes dos países que fazem referência foram menos estudados.Objetivos: Analisar as diferenças nos padrões de referenciação bibliográfica em revistas biomédicas do Brasil e de Portugal.Método: Foram analisadas todas as referências de todos os artigos publicados em 2009 e 2010 em 11 revistas biomédicas (7 do Brasil e 4 de Portugal) das seguintes áreas: Clínica geral (4), Saúde Pública (3), Ginecologia e Obstetrícia (2) e Cirurgia (2). Nós determinamos o tipo de fontes citadas (livros e monografias, sites e revistas). Para as revistas foi identificado o país de origem da fonte citada. As médias foram comparadas usando os testes t.Resultados: Nesta fase preliminar do estudo, foram analisadas 32782 referências em 1430 artigos (1038 do Brasil e 392 de Portugal). 93,1% dos artigos foram publicados em Português, com uma diferença significativa entre os dois países (Brasil= 90,7%; Portugal = 98,7%; p <0,001). Não se encontraram diferenças entre os dois países no número de autores por artigo (p = 0,112), de referências por artigo (p = 0,629) ou páginas por artigo (p = 0,155).Dos artigos analisados, a média de referências a revistas científicas é de 79,9% [SD = 21,9], com diferença significativa (p = 0,014) entre os dois países (Brasil = 80,7% [DP = 20,9]; Portugal 77,4% [DP = 24,4]). O número médio de citações de livros para o total de artigos foi de 16,3% [DP = 19,3]. Não se encontrou diferença significativa (p = 0,068) na percentagem de citação a livros entre os dois países, sendo de 15,7% [DP = 18,4] nas revistas brasileiras e 17,9% [SD = 21,5] nas portuguesas. A média  de citação a sites foi de 3,1% [DP = 8,2], com diferença significativa (p = 0,012) entre o Brasil (2,7% [DP = 7,4%]) e Portugal (4,0% [DP = 10,2]).Foram encontradas diferenças significativas (p <0,001) entre a percentagem média de autocitação (referência à mesma revista citadora) entre a produção de ambos os países analisada no estudo. As autocitações representaram 6,0% [SD = 12,4] das referências brasileiras e 2,1% [DP = 9,3] das referências portuguesas.Também foi diferente (p <0,001) a citação média de periódicos do próprio país. Em média, 30,1% [SD = 30,1] das citações dos periódicos brasileiros são de revistas brasileiras, enquanto as revistas portuguesas citam, em média,  5,4% [SD = 15,2] revistas portuguesas. Também houve diferença significativa (p <0,001) nas percentagens com que cada país cita o outro. As revistas brasileiras citam 0,1% [DP = 1,4] de artigos publicados em revistas portuguesas, enquanto as revistas portuguesas citam 3,2% [DP = 8,4] de artigos publicados em revistas brasileiras.Em menor escala, também houve diferença significativa (p <0,001) na referência a revistas publicadas nos Estados Unidos, sendo 39,7% [DP = 25,9] nas revistas brasileiras e 40,4% [DP=24,4] nas revistas portuguesas.Conclusões: Comparados com artigos publicados em Português, os artigos publicados em revistas brasileiras têm maior autocitação, citam muito mais revistas do seu próprio país e pouco artigos publicados em revistas portuguesas. As causas desses diferentes padrões merecem um estudo aprofundado bem como uma análise das consequências nos indicadores bibliométricos de impacto.
  • No references.
  • No related research data.
  • No similar publications.

Share - Bookmark

Cite this article