LOGIN TO YOUR ACCOUNT

Username
Password
Remember Me
Or use your Academic/Social account:

CREATE AN ACCOUNT

Or use your Academic/Social account:

Congratulations!

You have just completed your registration at OpenAire.

Before you can login to the site, you will need to activate your account. An e-mail will be sent to you with the proper instructions.

Important!

Please note that this site is currently undergoing Beta testing.
Any new content you create is not guaranteed to be present to the final version of the site upon release.

Thank you for your patience,
OpenAire Dev Team.

Close This Message

CREATE AN ACCOUNT

Name:
Username:
Password:
Verify Password:
E-mail:
Verify E-mail:
*All Fields Are Required.
Please Verify You Are Human:
fbtwitterlinkedinvimeoflicker grey 14rssslideshare1
Marina Barreto Alvarenga (2012)
Publisher: Universidade de São Paulo
Languages: Portuguese
Types: Master thesis
Subjects: Clinical trial, Delivery, Ensaio clínico, Episiotomia, Episiotomy, Laser therapy, Parto, Períneo, Perineum, Terapia a laser, Cuidado em Saúde
Introdução: A episiotomia é uma ampliação cirúrgica do períneo amplamente utilizada na assistência ao parto, embora seu emprego rotineiro não seja justificado pelas evidências científicas. Está associada à dor e ao desconforto no período pós-parto. O Laser em Baixa Intensidade (LBI) vem se destacando na literatura como uma tecnologia promissora em relação ao tratamento de feridas. Apresenta efeitos de redução da dor, inflamação e estímulo à cicatrização. Objetivo: Avaliar os efeitos do laser em baixa intensidade na cicatrização da região perineal, na frequência e magnitude da dor perineal, após a episiotomia médio-lateral direita. Método: Ensaio clínico aleatorizado, paralelo e triplo cego, com uma amostra de 54 puérperas, divididas em grupo experimental (recebeu irradiação de laser) e controle (recebeu simulação de irradiação). As puérperas foram incluídas no estudo entre 6 e 10 horas após o parto no Alojamento Conjunto do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo. Os critérios de inclusão foram: idade 18 anos, idade gestacional 37 e <42 semanas; sem parto vaginal anterior; parto espontâneo de feto único, vivo e em apresentação cefálica, com episiotomia médio-lateral direita; ausência de processo infeccioso, hemorroidas, hematomas ou varizes na região vulvoperineal; não ter realizado preparo da região perineal na gravidez; não ter feito uso de drogas fotossensibilizantes e sem intercorrências clínicas ou obstétricas. Foram excluídas do estudo mulheres que utilizaram qualquer produto diferente de água e sabão na região vulvoperineal. A intervenção com o laser consistiu em três irradiações (primeira: de 6 a 10 horas após o parto, segunda: 20 a 24 horas e terceira: 40 a 48 horas após a primeira aplicação), com laser diodo infravermelho, meio ativo semicondutor Gallium-Aluminum-Arsenide (GaAIAs), tamanho do spot de 0,04 cm2, densidade de energia de 5J/cm2, potência de 20 mW, duração da irradiação de 10 segundos por ponto. Em cada sessão, a episiotomia foi irradiada em nove pontos diferentes, com 0,2J por ponto e energia total de 1,8J por sessão. Na simulação da irradiação, a ponteira que emite o laser vermelho foi modificada pelo próprio fabricante, que substituiu o laser por uma luz guia. Em ambos os grupos, a cicatrização perineal foi avaliada em quatro momentos: antes das três irradiações e 7 a 10 dias após a alta hospitalar, por meio da escala Redness Edema Echymosis Discharge Aproximation (REEDA). A avaliação da dor perineal foi feita em sete ocasiões: antes e após as três irradiações e 7 a 10 dias, após a alta hospitalar pelo questionamento de presença ou ausência de dor e pela escala numérica de 0 a 10. A coleta de dados foi realizada entre junho e outubro de 2011. Resultados: Foram randomizadas 54 mulheres (29 no grupo experimental e 25 no grupo controle). Houve perda de seguimento de 11 mulheres na última avaliação (7 a 10 dias). Os grupos foram semelhantes quanto às variáveis: idade materna em anos completos; Índice de Massa Corporal; idade gestacional; peso do recém-nascido em gramas; Apgar de 1º, 5º e 10º minutos; perímetro cefálico em centímetros; extensão da episiotomia em centímetros; número de gestações, partos e abortos; cor; escolaridade; profissão; estado marital; presença de acompanhante; número de doses analgésicas e intervalo entre a ingestão do analgésico e a avaliação. A anestesia raquidiana foi usada com maior frequência no grupo controle (p=0,043). Quanto à cicatrização, os grupos não diferiram na escala REEDA em nenhuma das avaliações. Quanto às médias de dor perineal, os grupos diferiram nas seguintes ocasiões: o experimental apresentou maiores médias de dor na avaliação antes (grupo experimental 4,5; grupo controle 2,0; p=0,002), após a primeira irradiação (grupo experimental 4,1; grupo controle 2,0; p=0,008), e após a terceira irradiação (grupo experimental 1,5; grupo controle 0,6; p=0,019). Quanto à presença de dor, não houve diferença estatisticamente significante entre os grupos nos distintos momentos de avaliação. Não houve diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos entre a redução média de dor antes e após a irradiação laser, tanto em porcentagem quanto em relação a uma melhora <30% e 30%, nos três momentos em que a intervenção foi realizada. O procedimento foi considerado muito bom por 44,4% das mulheres, bom por 53,4% delas e ruim por 2,2% delas; 95,6% delas referiram o fariam novamente. Conclusão: O uso de LBI não teve efeito na cicatrização ou na frequência e na magnitude da dor perineal em mulheres com episiotomia, após o parto vaginal espontâneo. Introduction: An episiotomy is a surgical widening of the perineum largely used in the childbirth, despite the fact that its routine use has not been justified by scientific evidence. It is associated with pain and discomfort in the postpartum period. The Low-Level Laser Therapy (LLLT) has been pointed out in the literature as a promising technology for the treatment of wounds. It has the effects of reducing pain and inflammation and healing stimulation. Objective: Evaluate the effects of low intensity laser therapy in the healing of the perineal region and in the frequency and magnitude of perineal pain, after right mediolateral episiotomy. Method: Parallel, triple blind randomized clinical trial, with a sample of 54 mothers who were divided into experimental (received laser irradiation) and control group (received simulated radiation). Postpartum women were included in the study from 6 to 10 hours after birth in the Rooming-in Unit of the Hospital of the University of São Paulo. Inclusion criteria were: age 18 years, gestational age 37 and <42 weeks, no previous vaginal delivery, to have a spontaneous delivery of a singleton fetus in cephalic presentation with right mediolateral episiotomy, absence of infection, hemorrhoids, bruises or varicose veins in the vulvoperineal region; no perineum preparation during pregnancy, no use of photosensitizing drugs and no clinical or obstetric complications. We excluded women who had used any product other than soap and water in the vulvoperineal region. The LLLT intervention consisted of three irradiations (first: from 6 to 10 hours after birth, second: from 20 to 24 hours after birth and third one from 40 to 48 hours after the first application), using infrared diode laser, with a semiconductor active medium Aluminum-Gallium-arsenide (GaAlAs), a size spot of 0.04 cm, 2 5J/cm2 energy density, power of 20 mW, and length of irradiation of 10 seconds per point. In each session, the episiotomy was irradiated in nine different points, with a total of 0.2 J per point and a total energy of 1.8 J per session. To simulate the irradiation, the tip that emits the red laser was modified by the manufacturer, who replaced the infrared laser by a guiding light in the same pen that emits the laser. In both groups, the perineal wound healing was assessed at four time moments: before the three irradiations and from 7 to 10 days after hospital discharge, through the scale Echymosis Discharge Aproximation Redness Edema (REEDA). The perineal pain was assessed in seven occasions: before and after the three sessions of irradiation and in one occasion from 7-10 days after birth, using numerical scale from 0 to 10 and questioning the woman on the presence or absence of pain. Data collection was carried out between June and October 2011. Results: We randomized 54 women (29 in the experimental group and 25 in the control group). Eleven women were lost in the follow-up, in the last evaluation (7-10 days). Both groups were similar with regard to the variables: maternal age in years, body mass index, gestational age, weight of the newborn in grams; Apgar score at 1, 5 and 10 minutes and head circumference in centimeters; episiotomy length in centimeters, number of pregnancies, births and miscarriages, skin color, education, profession, marital status, presence of caregiver, the number of analgesic doses and interval between the intake of analgesics and evaluation. The spinal anesthesia was more frequently used in the control group (p = 0.043). Regarding the healing, the groups did not differ in any assessments of the REEDA scale. Regarding the means of perineal pain, the groups differed on the following occasions: the experimental group had higher means of pain scores in the evaluation before (experimental group 4.5, control group 2.0, p = 0.002), and after the first irradiation (experimental group 4.1, control group 2.0, p = 0.008), and after the third irradiation (experimental group 1.5, control group 0.6, p = 0.019). Regarding the presence of pain, there was no statistically significant difference between groups in different stages of evaluation. There was no statistically significant differences between the two groups, both regarding the mean reduction of pain before and after laser irradiation in percentage and regarding an improvement <30% and 30% in the three moments when the intervention was performed. The procedure was evaluated as very good by 44.4% of women, as good by 53.4% and as bad by 2.2% of them; 95.6% of women who had the procedure reported that would have it again. Conclusion: The use of LLLT had no effect on wound healing or in the frequency and magnitude of perineal pain in women with episiotomies after spontaneous vaginal delivery, with the dosage and number of sessions used in this study.
  • No references.
  • No related research data.
  • No similar publications.