LOGIN TO YOUR ACCOUNT

Username
Password
Remember Me
Or use your Academic/Social account:

Congratulations!

You have just completed your registration at OpenAire.

Before you can login to the site, you will need to activate your account. An e-mail will be sent to you with the proper instructions.

Important!

Please note that this site is currently undergoing Beta testing.
Any new content you create is not guaranteed to be present to the final version of the site upon release.

Thank you for your patience,
OpenAire Dev Team.

Close This Message

CREATE AN ACCOUNT

Name:
Username:
Password:
Verify Password:
E-mail:
Verify E-mail:
*All Fields Are Required.
Please Verify You Are Human:

OpenAIRE is about to release its new face with lots of new content and services.
During September, you may notice downtime in services, while some functionalities (e.g. user registration, login, validation, claiming) will be temporarily disabled.
We apologize for the inconvenience, please stay tuned!
For further information please contact helpdesk[at]openaire.eu

fbtwitterlinkedinvimeoflicker grey 14rssslideshare1
DEL NEGRO,ANDRÉ; DANTAS,CLARISSA DE ROSALMEIDA; ZANARDI,VERÔNICA; MONTENEGRO,MARIA AUGUSTA; CENDES,FERNANDO (2000)
Publisher: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Languages: Portuguese
Types: Article
Subjects: fenitoína, atrofia cerebelar, epilepsia
O uso crônico da fenitoína ou intoxicação aguda por essa droga produzem lesão cerebelar permanente com atrofia do vermis e hemisférios cerebelares, que pode ser evidenciada através de exames de neuroimagem. O objetivo deste estudo foi avaliar a correlação entre a dosagem e o tempo de uso da fenitoína com a ocorrência de atrofia cerebelar. Foram realizados levantamento de prontuários para a obtenção de dados clínicos e análise de tomografias de crânio para avaliação de atrofia cerebelar. Dos 66 pacientes estudados, 18 apresentaram atrofia moderada a severa, 15 atrofia leve e 33 foram considerados normais. Os pacientes com atrofia cerebelar moderada a severa foram aqueles com maior exposição à fenitoína (uso prolongado e dose total), apresentando diferença estatisticamente significativa se comparados aos pacientes com atrofia leve ou sem atrofia (p=0.02). Além disso, no subgrupo de pacientes em uso de fenitoína, aqueles com atrofia moderada a severa possuíam níveis séricos de fenitoína significativamente mais elevados que os pacientes com atrofia leve ou sem atrofia (p=0.008). Não houve relação entre duração do tratamento e dose de outros anticonvulsivantes e presença e grau de atrofia cerebelar. Os pacientes mais velhos apresentaram maior grau de atrofia cerebelar, indicando que o fator idade ou tempo de epilepsia, ou ambos, pode ser importante na determinação de degeneração cerebelar. Concluímos que apesar da possibilidade de lesão cerebelar relacionada a crises epilépticas repetidas, a contribuição da fenitoína pode ser claramente estabelecida como um dos determinantes da atrofia cerebelar, sobretudo naqueles pacientes com altas doses por tempo prolongado e níveis séricos elevados.
  • No references.
  • No related research data.
  • No similar publications.
Cookies make it easier for us to provide you with our services. With the usage of our services you permit us to use cookies.
More information Ok